Fandom

Olga Wiki

A Intentona de 35 e a "luta armada" dos anos sessenta

10 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Discussão0 Compartilhar
Luta armada.jpg

Os fuzis da traição

O comunismo é uma doutrina totalitária que por força de comandos ideológicos ou despóticos se impõe, primeiramente, sobre os seus seguidores e, posteriormente sobre as sociedades já subjugadas.

Mantêm-se através de regimes ditatoriais onde as liberdades reconhecidas como direitos inatos dos seres humanos são suprimidas pelos governos de um só partido, o partido comunista, que se perpetua no poder.

Desde 1917, quando o regime comunista se estabeleceu na Rússia, denominada União Soviética, o modelo de opressão se manteve e ramificou-se para vários países da Europa, por força das armas, aproveitando o contexto da Segunda Guerra Mundial.

Foi nessa União Soviética, governada por Joseph Stalin, um dos ditadores mais facínoras do planeta, que centralizaram-se as ações políticas e subversivas para a dominação mundial de uma potencia francamente expansionista e imperialista.

Desde os primeiros momentos do ingresso nas fileiras partidárias se cobra dos comunistas a fidelidade absoluta aos dogmas estabelecidos pelas lideranças, anulando-se o livre pensamento pela força disciplinar do estado/partido, temível e até apavorante diante da natureza dos castigos impostos.

Foi assim que Luís Carlos Prestes, aceitando o credo vermelho como sua fé política e recorrendo à União Soviética, a sua Meca, cai nos fortes tentáculos stalinistas a cobrar-lhe definições sobre a revolução no Brasil.

Enredado na sua própria vaidade, admite ser um grande líder popular no seu país e não consegue escapar da ordem de nele promover a revolução pró Stalin, pró Moscou.

Parte daquele país com um séquito de agitadores de toda espécie, treinados em centros especiais com a finalidade de incendiar o mundo.

E, então, soberbo, incapacitado de situar-se no contexto nacional, destituído de apoio popular, cego pelo fanatismo dos sabotadores que o rodeavam, aquiesce na eclosão da chamada Intentona de 35, que apesar do estrondoso fracasso fez tantas vítimas inocentes nas poucas cidades onde incidiu.

O Brasil vivia sob o regime democrático da Constituição de 1934, mas a sordidez e a brutalidade do levante acirraram a ira popular e deflagrou-se o estado de sítio como primeira providência em prol da defesa da pátria agredida.

Os comunistas, vencidos, desmoralizados e envergonhados pelo desprezo popular, movimentaram-se em campanha publicitária internacional tentando transformar a imagem de traidores em mártires.

Divulgaram narrativas de cruéis torturas e assassinatos de militantes, quando, curiosamente, todos sobreviveram, e alguns, para serem fuzilados por Stalin nos anos de 1937 e 1938, por terem fracassado no Brasil.

Como a história parece se repetir, ressurge a “luta armada” no Brasil nos anos sessenta com a mesma virulência, o mesmo sectarismo, o mesmo totalitarismo, a mesma subserviência à Moscou, Pequim e Havana, de onde vinha o modelo inspirador da sociedade que queriam implantar.

Meia dúzia de gatos pingados, como dantes, sem nenhum apoio popular, condição “sine qua non” para o sucesso, se lançam em escaramuças contra a sociedade, assaltos e seqüestros que só serviram para fortalecer o governo e faze-lo permanecer por mais anos no poder.

Realmente, era uma ditadura estabelecida por tanques e canhões que rasgou a Constituição, desrespeitou a vontade do povo brasileiro e depreciou o país diante das nações civilizadas. Mas a chamada “luta armada” não foi o meio escolhido pelos brasileiros para resistirem, protestarem e vencerem a ditadura.

Os brasileiros escolheram a resistência civil, a ação política pacífica, os movimentos de opinião para vencerem a ditadura e a venceram.

Agora, como em 35, vem os autodenominados mártires da “luta armada” dos anos sessenta propagarem com fins políticos as vicissitudes que eles mesmos buscaram e pior, apresentarem-se como os principais defensores da luta pela democracia no Brasil.

Sergio Cabral em um discurso de campanha lamentou que enquanto o seu pai e companheiros desenvolviam a ação política para o restabelecimento da democracia no país, viam a “luta armada”, com seus métodos violentos e ineficazes, atrasar aquele tão almejado fim.

Certamente tais lamúrias não se sustentam após a queda do Muro de Berlim e conseqüente extinção do comunismo na Europa, definindo para o mundo o que é democracia.

Referências

  • Trecho da palestra do professor Gilberto A. Moreira, durante o simpósio de política contemporânea ocorrido em São Paulo - 2008 (gilbertoamoreira@bol.com.br)

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória